25/07 - Negras em Mmovimento "Ato/debate em homenagem a todas as Cláudias da Diáspora Africana"

25-07-2014 19:02

Dia Internacional da Mulher Negra é comemorado na Câmara com Ato/Debate, no dia 25 de julho

O evento será o primeiro a iniciar com o Hino da Negritude, abrindo a Virada Cultural da Mulher Negra e Cia e homenageia a todas as mulheres negras das periferias em luta contra todo tipo de violência

 

No próximo dia 25 de julho, às 19h, na Câmara Municipal de São Paulo, ocorre o “Negras em Movimento – Ato/Debate em homenagem a todas as Cláudias da Diáspora Africana”,  como abertura da Virada Cultural de Inverno da Mulher Negra & Cia.

Realizado pelo site Negro é Lindo, com o apoio do Sedin – Sindicato Nacional da Educação Infantil, da Revista Mulher Negra e Cia, gabinete do vereador Antonio Donato, vereador José Américo e do deputado federal Carlos Zarattini, o evento comemora também o Dia da Mulher Negra e Tereza de Benguela, Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha e será o primeiro evento a executar o Hino à Negritude, do Profº Eduardo de Oliveira, de acordo com a Lei 12.981sancionado pela presidenta Dilma Roussef, em maio deste ano.

Homenagem a todas as Cláudias

Preocupadas com a violência contra as mulheres da periferia, o Negras em Movimento propõe  reflexão e  ação concretas contra a impunidade dos assassinos  de Cláudia Ferreira da Silva, 38,  morta a tiros e arrastada pelos PMs  na Zona Norte do Rio de Janeiro, em 16 de março deste ano. Seria mais uma mulher negra invisível da periferia a sofrer violência, não fossem as manifestações populares nas ruas e nas redes sociais. Assim, um documento será enviado a presidenta Dilma solicitando a devida punição dos responsáveis.

 

 

 

Programação

Apresentação com a execução do Hino à Negritude

Debatedoras

Adriana Barbosa - Produtora Cultural da Feira Preta- Empreendedorismo

Eloá Pimenta – Terapeuta - Saúde da Mulher Negra

Tatiana Oliveira - Jornalista, radialista, Comunicadora Negra do Coletivo Quilombação - Mulher Negra;Meios de Comunicação

Yvone Souza - Professora da UFRJ e Fiocruz - Consequências da apartação das mulheres negras desde a infância

Ivete Souza - Ativista da Juventude Círculo Palmarino - Genocídio da Juventude Negra

Claudete Alves - Ex-vereadora, pedagoga - Solidão da Mulher Negra (preterimento)

Ainda haverá as atrações culturais do grupo Faccão X, da Rapper Tiely Queen e do samba de roda de Nega Duda, todos artistas e ativistas pela igualdade racial.

Dia da Mulher Negra e Tereza de Benguela

Em 1992, em Santo Domingo, na República Dominicana, realizou-se o 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, do qual decorreram duas decisões: a criação da Rede de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas e a definição do 25 de julho como Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha.

A partir de agora, esta data também passa a ser como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e também da Mulher Negra, de acordo com a lei sancionou, a Lei Nº 12.987, sancionada pela presidente Dilma Rousseff, em maio deste ano.

 

Heroína e Rainha Negra

Teresa de Benguela chegou a liderar durante o século XVIII o quilombo Quariterê, localizado no Mato Grosso e agregou negros, brancos e indígenas para defender esse espaço por muitos anos. Ela é tida como uma rainha e heroína em virtude de sua bravura na luta pela causa negra

Hino à Negritude

De autoria do professor Eduardo Oliveira, ex-vereador da cidade de São Paulo, líder do movimento negro no Brasil e um dos principais articuladores do Congresso Nacional Afro-Brasileiro (CNAB), o Hino à Negritude passa a ser a música oficial das cerimônias da comunidade negra, de acordo com a Lei 12.981 sancionada pela presidenta Dilma.

Serviço:

Negras em Movimento – Ato/Debate em homenagem a todas as Cláudias da Diáspora Africana

25/julho/2014, Sexta-feira,  às19h

Câmara Municipal de  São Paulo

Auditório Prestes Maia